terça-feira, 14 de dezembro de 2010

postheadericon Releitura

Reli teus verso.
Mais que reler, revivi.
Paredes vermelhas perdidas em outras vidas
Acanhamentos mentirosos, beijos roubados.
Saudades desmedidas
Ansiedades incontidas.


Senti teus versos, mais uma vez.
Onde a memória falha,
Linhas grossas me apontam os sinais
De tuas vontades
Necessidades
e tantas coisas mais.


Nos encontramos, nos amamos.
Destino ou sina,
busca ou casualidade.
Adjetivos desimportantes,
pequenos nesse grande mar
de amor constante.


"Era uma noite sem estrelas"
Mas teu brilho perfeito,
diamante sem jaça,
Sol de chuva, limpo e perfeito,
cegante, revigorante,
Atravessou meus olhos, minha mente
(eu sei, inconsequente)
Se fez presente. Sente?


Mais uma vez os versos teus.
Que hoje assumo como também meus.
Por sermos hoje um,
Colados,
Cimentados,
Pelo calor dos olhos teus.

2 comentários:

Camila Passatuto disse...

Aí eu levanto e bato palmas, né?

Muito bom!

Moni. disse...

Quando eu achei que já havia composto meu conceito de intimidade, vi que é possível assumir os versos do outro como seus.

Realmente é tudo muito maior que eu.

Parabéns, David. Muito, muito bom!

Moni

sobre

Minha foto
@David_Nobrega
Mataram a bio... Jamais morreu
Visualizar meu perfil completo

tags

seguidores