quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

postheadericon rua

Inútil,
Mas pede, na prece
A quem parte ou aporta
Em todas as portas tortas loucas abertas
Algum degrau acolchoado?
A roupa rota, pouca, miséria estampada
Calada, horizonte distante onde
Sem estrelas nascem teias pretas
Em seu céu imenso descampado
Mesa fria, vazia, sofrido cimento
Querida já não há quem chama
Comer não dá pois de nada será
Remendos em linha grossa
Possa talvez consertar
Vale um dedo de prosa, só assim descobrirá
Tecido gasto da vida já era/fora/queria rosa
Prosa,
Poesia,
Economia, Saúde & Companhia

Jornal velho, servindo de telhado, biblioteca vazia
Casa com quintal de um mundo imenso
Tenso, imundo, animalesco

Olho não vejo
Que sob as palavras cruzadas
Há um novo rebento
Magrelo, olhos saltados
Fome de viver, mas todos sabem
Impossível ao relento
Chega alguém e joga dinheiro
Como se cuspisse sobre seu corpo
Inteiro, verminoso, remelento, mal-cheiroso
Sonhado antes melhor
Quando ela tinha outros
A quem chamar
E amar

sobre

Minha foto
@David_Nobrega
Mataram a bio... Jamais morreu
Visualizar meu perfil completo

tags

seguidores